Home > Bem Estar > A importância da individualidade por Claudia Arab

A importância da individualidade

Hoje em dia, é possível encontrarmos vários Guidelines sobre atividade física para diversas populações. Esses guias nos dão recomendações do quanto e do tipo de atividade física indicada para
cada população: crianças, adultos, idosos, cardiopatas, etc. Para pacientes e sobreviventes com câncer
não é diferente. Por exemplo, a American Cancer Society recomenda que adultos realizem ao menos 150 minutos de atividade física moderada ou 75 minutos de atividade física vigorosa (ou ainda uma
combinação destes) ao longo da semana para prevenção de câncer. De acordo com esta instituição, a
atividade física pode reduzir risco para câncer de mama, cólon, endométrio e próstata. Ainda, recomendam que sejam mantidos os níveis de atividade física o quanto antes possível após o diagnóstico de câncer, objetivando, no mínimo, 150 minutos semanais com, pelo menos, 2 dias de
treinamento de força.
Apenas essas recomendações não são suficientes. A individualidade é um dos princípios do treinamento físico. Cada indivíduo é único. Não tem como termos um único treinamento para todos,
pois cada pessoa tem suas especificidades. Quando tivemos o programa de exercícios na faculdade para pacientes em tratamento do câncer de mama, apesar de termos um planejamento geral, as pacientes eram ouvidas e o treinamento era adaptado de acordo com cada participante. Então, por exemplo, um exercício com membros superiores, braços, para algumas participantes era possível e tranquilo; para outras, precisava ter a amplitude diminuída; e, para outras, não era possível fazer, pois sentiam dor ou porque não conseguiam realizar o movimento por falta de força, de controle do movimento e/ou de flexibilidade. Outro ponto é a intensidade (além do volume e estes são inversamente associados, ou seja, treino “mais pesado” = “treino mais curto” e “mais leve” = “mais longo”). A intensidade moderada para uma pessoa pode ser a leve de alguém e a intensa de outro alguém.
Não temos todos o mesmo condicionamento físico, histórico, características e capacidades. Por isso, é essencial que haja prescrição individualizada. Um treino que alguém faz muito provavelmente não é o mais adequado para você. Pode ser que esse treino seja ótimo e que a pessoa tenha excelentes resultados com ele, mas não significa que também terá esses efeitos para você. Não existe uma receita correta, apenas os ingredientes essenciais (como a continuidade, progressão, recuperação e especificidade)! É preciso respeitar a individualidade para prescrever e realizar um treinamento físico
que gere bons resultados. Como conseguir a individualidade? Buscando um profissional de educação
física!

Comentários

comentário

Você também pode gostar
CICLOS VICIOSOS E VIRTUOSOS POR Claudia Arab
Atividade física está relacionada ao câncer? por Claudia Arab

Deixe um comentário