Home > Bem Estar > Os Benefícios de Pedalar

Olá, Cats! A Pedalada Rosa está chegando! Hoje vamos falar sobre os benefícios que você
precisa saber desse tipo de atividade física. Eu sou suspeita, pois é um dos meus hobbies favoritos, mas
vou falar de qualquer jeito. O que mais me encanta na bicicleta ao ar livre é o poder ir mais longe, é o
vento batendo no rosto e a sensação de liberdade. Com certeza, entre as melhores memórias de
passeios e atividades que já fiz, estão os com a bicicleta. Isso sem contar as amizades feitas pelo pedal!
Eu pedalava muito em Florianópolis, onde morei por quase dez anos. Mato ou asfalto, aquele lugar é
mágico, onde quer que você vá (Vá pra lá – e pedale!). Floripa difere-se de São Paulo, obviamente. Aqui
temos muito trânsito, mas as ciclovias, parques e iniciativas que disponibilizam bicicletas de fácil acesso
e baixo custo, facilitam muito e tornam o pedal possível e seguro.

Ela é considerada uma atividade física cíclica por causa do movimento repetitivo dos membros
inferiores. É uma boa opção para quem sente dores articulares nos membros inferiores por não ter
impacto como a corrida tem, por exemplo. Acredito que haja mais pessoas que não gostem de correr do
que quem não goste de pedalar. Esta atividade requer equilíbrio, coordenação, noção espacial e
temporal, resistência muscular e cardiorrespiratória e, também, força e flexibilidade (completinho, né?).
Além dessas capacidades físicas que podem ser aprimoradas com a prática da pedalada, teve um estudo
que demonstrou que após apenas 20 minutinhos de pedal leve a moderado diminuiu a ansiedade das
pacientes que tiveram câncer de mama 1 . Outro estudo, demonstrou que após 12 semanas de
treinamento com bicicleta ergométrica (3 sessões semanais, intensidade moderada), pacientes com
linfoma que estavam em quimioterapia ou que já haviam terminado o tratamento, apresentaram
melhora da saúde em geral, da qualidade de vida, dos níveis de depressão, felicidade, aptidão física e
fadiga 2 .

Algumas vezes, os ombros, lombar e punhos podem reclamar um pouco pela sobrecarga do
nosso corpo. Isto pode ser devido à duração da atividade, destreinamento, ao tamanho da bicicleta e
posicionamento do banco e guidons inadequados para você ou mesmo por alguma particularidade sua
como lesões, histórico de cirurgia. Não se preocupe, pois somos adaptáveis e dá pra resolver isso
também, após descoberto o motivo. A prática da pedalada pode ser considerada de baixo custo e,
também, de elevadíssimo custo, depende da bicicleta e dos equipamentos que você decida adquirir.
Quanto aos equipamentos, capacete e luzes são essenciais! Praticar atividades como o pedal têm
estreitíssima ligação com a diminuição do risco de doenças cardiovasculares!

Assim, a PEDALADA ROSA vai te proporcionar vários benefícios que podem ser físicos,
psicológicos e sociais. Lá também vai estar rolando uma oficina de bicicleta, caso você queira aprender a
trocar um pneu ou coisas do tipo. Já adianto, nem é tão difícil assim e a gente fica se sentindo o máximo
quando consegue remendar uma câmara, enche-la, colocar o pneu de volta e sair pedalando. Quem
sabe participando do evento, vocês não se animam a começar a pedalar? E, se você não é de São Paulo
nem de Bauru, que também receberá o evento, não se preocupe. Há sempre algum amigo ou familiar
disposto a pedalar com você, pode ter certeza disso. Ah! Nas academias, as bicicletas também são bem
comuns. Pedido de professora: por favor, não fiquem muito confortáveis sentadas nas bikes, assistindo
TV, ou, seja lá o que for, e esquecendo do exercício. Pra termos resultados, é preciso ter esforço – e o
bom da bicicleta é que dá pra se divertir ao mesmo tempo!

1 Blacklock R, Rhodes R, Blanchard C, Gaul C. Effects of exercise intensity and self-efficacy on
state anxiety with breast cancer survivors. Oncol Nurs Forum. 2010 Mar;37(2):206-12.
2 Courneya KS, Sellar CM, Stevinson C, McNeely ML, Peddle CJ, Friedenreich CM, et al.
Randomized controlled trial of the effects of aerobic exercise on physical functioning and quality of life
in lymphoma patients. Journal of Clinical Oncology 2009;27(27):4605‐12.

Comentários

comentário

Deixe um comentário