Home > Colunistas > Simplesmente viva

Eu li um livro que achei bastante interessante, e quero passar para vocês as ideias do autor que abordam o assunto felicidade por um prisma muito diferente do que nos acostumamos a ouvir até então.

O livro é best seller no Brasil e em outros países e tem um título bem inusitado e questionador: “A sutil arte de ligar o “foda-se”, de Mark Manson.

Ele orienta a buscarmos um novo olhar para a nossa vida, mais coerente com a realidade, encarando nossas limitações, aceitando nossas falhas, nossas dificuldades, aprendendo a viver com elas, reconhecendo que somos assim e que não adianta passar a vida fingindo não vê-las.

Temos que nos aceitar, com nossos medos, defeitos, incertezas, limitações, pois a partir do momento que passamos a enfrentar e encarar essas verdades mais dolorosas, nos abrimos para encontrar coragem, perseverança, entusiasmo, e daí quem sabe construir uma vida melhor.

Sou assim e pronto, “foda-se o resto”, não vou sofrer por isso, mas vou aceitar e ver quais são as minhas alternativas…

Ele cita Albert Camus que diz: “Você nunca será feliz se insistir em tentar descobrir o que é a felicidade. Você nunca viverá verdadeiramente se estiver procurando o sentido da vida. ”

Simplesmente viva!

As pessoas passam a vida sonhando com a casa de praia, com o carro espetacular, a viagem maravilhosa para lugares paradisíacos, o corpo de atleta e daí por diante…não quer dizer que nada mais importa, mas sim que devo me importar menos, e viver a vida que eu tenho, pois, as vezes até mesmo a pessoa menos empenhada pode se dar melhor, já perceberam isso? Já
repararam que as vezes quando você para de se importar tanto, tudo começa a entrar nos eixos?

“Tudo o que vale a pena na vida só é obtido ao superar o sentimento negativo associado a ele. Evitar o sofrimento é uma forma de sofrimento, evitar dificuldades é uma dificuldade, negar o fracasso é fracassar, esconder o que é vergonhoso é, em si, causa de vergonha.”.

Tentar arrancar o sofrimento é impossível, o esforço para evitar é dar atenção demais a ele. E o que o autor recomenda é que deve-se ligar o “foda-se” e então nos tornaremos mais fortes… dar menor importância, deixar rolar o que é inevitável e aos poucos a pessoa torna-se mais resistente e capaz de encontrar outras saídas…

Enfim, essa é a ideia do livro, que eu quis mostrar a vocês, pois trata-se de uma leitura instigante e provocativa.

Um grande abraço a todas! Logo voltaremos aos nossos encontros semanais.

Comentários

comentário

Deixe um comentário