Home > Acontece > Suco de romã pode inibir a metástase do câncer de próstata

Suco de romã pode inibir a metástase do câncer de próstata

Quando ocorre o reaparecimento do câncer de próstata no paciente depois de tratamentos, geralmente, os médicos indicam a supressão do hormônio masculino testosterona, que é um tratamento que inibe o crescimento das células cancerosas, pois elas precisam do hormônio para crescer. Porém, com o tempo, o câncer desenvolve formas de resistir ao tratamento. 

Pensando nisso, pesquisadores da Universidade Riverside, da Califórnia, fizeram um estudo sobre o efeito do suco de romã. Para isso, ele foi aplicado nas células de câncer de próstata cultivadas em laboratório, as quais já eram resistentes à testosterona. 

Ao analisar os resultados, os pesquisadores descobriram que as células tratadas com o suco de romã mostraram maior adesão, ou seja, menos células se separavam. Também houve uma queda na movimentação dessas células.

Com o intuito de tornar os componentes inibidores do câncer no suco de romã mais eficazes na prevenção da metástase do câncer de próstata, os pesquisadores identificaram os grupo ativos de ingrediente no suco que tiveram impacto molecular na adesão das células. Através disso, podem ser criadas terapias com remédios mais eficazes.

Manuela Martins-Green, pesquisadora, afirmou que a descoberta pode ter impacto no tratamento de outros tipos de câncer. Porém, ainda devem ser feitos mais estudos.

Através da pesquisa, foi possível comprovar que o suco de romã tem o potencial de evitar a metástase das células do câncer de próstata para a medula, devido à função de inibir a proteína produzida na medula óssea, que leva as células cancerosas a se mover para a medula, onde elas poderão formar novos tumores.

 

Os próximos planos da pesquisadora são fazer testes adicionais em um organismo vivo com câncer de próstata em em fase de metástase para determinar se os mesmos componentes que foram eficazes nas células cultivadas em laboratório poderão evitar a metástase sem efeitos colaterais.

 

Fonte: BBC Brasil

Comentários

comentário

Deixe um comentário